Standing On The Corner Of The Third World

 

Letra: Roland Orzabal

Vocais: Roland Orzabal 

Data de Lançamento: 25 de setembro de 1989 (The Seeds of Love)

Bateria: Manu Katché 

Vocais de Apoio: Tessa Niles e Carol Kenyon

Trompete: Jon Hassell

Baixo: Pino Palladino

Piano: Oleta Adam

Sintetizador e Órgão Hammond: Simon Clarck

Percussão: Carole Steele

 
Standing on the corner of the third world Em Pé na Esquina do Terceiro Mundo

 

Man,

I never slept so hard

I never dreamt so well

Dreaming I was safe in life

Like mussels in a shell

Rolling and controlling

all the basements

and the backroads

of our lives


Fill their dreams

with big fast cars

Fill thier heads with sand

Holy white

we'll paint the town

The colour of our flag

Hey there little lady has your baby

got the look of some old man?

Standing on the corner of the third world


Hungry men

will close their minds

Ideas are not their food

Notions fall on stony ground

Where passions are subdued

Colour all the madness

for the madness is the thorn

that's in our side

Standing on the corner of the third world


When we gonna learn?

Who we gonna turn to?

The promises they make

The call for our attention

Compassion is the fashion

Free to earn,

our pockets burn

We buy for love

Die for love


Hold me I'm crying

Hold me I'm dying

 

Cara,

Eu nunca dormi tão profundamente

Eu nunca sonhei tão bem

Sonhando eu estava seguro em vida

Como mexilhões numa concha

Enrolando e controlando

todos os porões

e as estradas secundárias

de nossas vidas


Enchem seus sonhos

com grandes carros rápidos

Enchem suas cabeças com areia

Com o branco sagrado

nós pintaremos a cidade

A cor de nossa bandeira

Ei, aí, pequena dama, o seu bebê

é parecido com algum velho homem?

Em Pé na Esquina do Terceiro Mundo


Homens famintos

fecharão suas mentes

Idéias não são seu alimento

Noções caem em solo pedregoso

Onde paixões são dominadas

Pinte toda a loucura

pois a loucura é o espinho

que está do nosso lado

Em Pé na Esquina do Terceiro Mundo


Quando nós vamos aprender?

Quem nós vamos nos tornar?

As promessas que eles fazem

O chamado para nossa atenção

Compaixão é a moda

Livres para gastar,

nossos bolsos queimam

Nós compramos por amor

Morremos por amor


Abrace-me, eu estou chorando

Abrace-me, eu estou morrendo

 

Curiosidades:

 

Roland Orzabal (adapt):

    "Deixe-me explicar isso.. É mais exemplo disso que eu disse antes, a coisa sobre útero como contenção, o reino oceânico da imaginação e pegas as coisas de uma forma subconsciente. Há um verso que diz: "Man, I never slept so hard, I never dreamt so well / Dreaming I was safe in life/Like mussels in a shell (Cara, eu nunca dormi tão profundamente, Eu nunca sonhei tão bem / Sonhando, eu estava seguro em vida / Como mexilhões numa concha)"

    "A Vibe é de segurança, retenção, paz e solidão."Rolling and controlling all the basements and the backroads of our lives" ("Enrolando e controlando todos os porões e as estradas secundárias de nossas vidas"), é um referência à forma como você pode se livrar de toda a merda e sujeira da vida, que são varridas pra debaixo do tapete, ou no mínimo, para fora de nossas vistas"

    "Eu acho que a música ainda é catártica pra mim. O que eu fiz nessa música foi usar o Terceiro Mundo como um símbolo de lixeira para todos. É um lugar que é estéril, sem vida e cheio de abusos e exploração. O verso: "Standing on The Corner of The Third World" ("Em Pé na Esquina do Terceiro Mundo"), traz pra mim este sentimento de contenção, que pelo menos no fundo você se lembra de que há esse cinza maciço nessa área estéril, que precisa de atenção."

 

Comentários: Standing On The Corner Of The Third World

standing

Data: 13/04/2011 | De: Publio

satandin on the conner of the third world é a música que Curt Smith não tem partiicipação nenhuma, pois o baixo foi de Pino Paladino. A letra retrata bem o problema sócio - econômico do Brasil na época.

Novo comentário