Entrevista de Roland Orzabal para a BBC (18/10/14)

24/10/2014 15:47

 

Olá, pessoal!

 

Não deixem de escutar esta entrevista de Roland Orzabal a Richard Green para a BBC Radio Devon, no dia 18 de outubro de 2014. Roland fala principalmente sobre seu livro "Sex, Drugs & Opera" e sobre o álbum novo de TFF!

 

 

Se quiserem, acompanhem abaixo a tradução da entrevista:

 

RG – Finalmente! Temos Roland Orzabal do Tears for Fears aqui conosco no programa. Olá, Roland, como você está?

RO – Estou muito bem, obrigado!

RG – Estou adorando ter você aqui, e estou me perguntando, como você se descreve agora, um autor ou um músico? Qual você escolheria primeiro?

RO – Não... Definitivamente um músico... pai, Irmão, amante, autor... eu realmente não me importo...

RG – Então você é todas essas coisas juntas...

RO – Sim, sou todas essas coisas! (risos)

RG – Então, CONTE-NOS sobre você ter escrito o livro, porque é algo que talvez muita gente não saiba... todo mundo sabe sobre você e o Tears for Fears, mas nos fale sobre como foi escrever o livro.

RO – Eu comecei a escrever por minha própria vontade, depois de ter gravado o álbum “EVERYBODY LOVES A HAPPY ENDING” com Curt em 2004, e de termos promovido o álbum, depois de termos feito alguns shows, e é uma coisa que muitas pessoas criativas têm vontade de fazer, então eu comecei a escrever o livro. era uma estória sobre mistério numa casa de estilo gótico, muito, muito longa, muito complicada, muito detalhada... e ela nunca fazia sentido, mas em meados de 2011/2012, eu fui convidado para uma audição na ITV para um programa chamado Popstar to Operastar, e eu pensei: Isso é muito estranho, porque eu realmente tive aulas e cantei ópera quando eu tinha 17/18 anos e é claro que eles ficaram sabendo disso. Então eu fui em algumas dessas audições, e veio na minha cabeça toda essa idéia de escrever essa estória, que era mais cômica, mais curta, fácil de ler, mais pessoal, e então foi isso que me fez começar a escrever “Sex, Drugs & Opera”. Solomon Capri, o personagem principal do livro, tocava numa banda nos anos 80, assim como eu, mas não tão famoso e infelizmente seu parceiro de criações, Fran, morreu no auge do sucesso da banda e então tudo começou a desmoronar para Solomon. Mas para a sorte dele, a sua esposa herdou uma empresa de produtos higiênicos femininos, então ele se tornou um homem um pouco acomodado, e a música não era mais importante, no sentido de que ele não precisava mais da carreira para fazer dinheiro, e ele não se importa em se aposentar. As pessoas geralmente não esperam que um músico se torne autor e escreva um romance, especialmente esse tipo de romance comercial... O que eu acho muito estranho.

RG – Aqui na Inglaterra, as pessoas podem ser perdoadas por pensar – ou por não saberem - que vocês estão juntos e ainda em turnê, preparando-se para lançar o sétimo álbum. Eles podem pensar que vocês estão “fora do radar”...

RO – Sim, mas nós estamos “fora do radar”!

RG – Mas não seria porque vocês estão passando muito tempo nos Estados Unidos, ou é um tipo de coisa proposital?

RO – Bem, eu acho que não é proposital, sempre foi estranho... Eu me tornei um popstar na Inglaterra, e andando pelas ruas de Bath, nós crescemos com todo mundo sabendo quem nós éramos... e de repente nós nos tornamos muito famosos na América, era incrível a sensação de ser um estrangeiro na América, e parecia ser muito mais divertido! E o Curt durante as gravações de “The Seeds of Love”, que levou uma eternidade para ser gravado, ele se separou de sua primeira esposa e passou um tempo com uns amigos nos EUA, onde conheceu Frances, com quem ele é casado até hoje, então, o seu relacionamento com a América cresceu e cresceu e cresceu... Ele se mudou para Nova York, agora ele mora em Los Angeles, é um cidadão americano. Toda a nossa banda está em Los Angeles, por isso toda a ação acontece na América. E ainda tem o Brasil, que é uma marca incrível para nós ainda, vamos para a Austrália, vamos para a Ásia, mas na Inglaterra para tentarem nos ter aqui, fazerem com que todos voem para cá, colocarem toda a banda em hotel, precisamos estar muito mais visíveis para podermos fazer isso.

RG – Você nunca pensou em fazer um grande show, você sabe as coisas que eu estou falando, esses grandes festivais, etc...  Eles gostam de receber essas grandes bandas.

RO – Bandas de grande legado...

RG – Sim! E seria como virar a esquina para você.

RO – E eu que poderia pegar um helicóptero!

RG – Isso seria uma experiência maravilhosa e reacenderia talvez o interesse que você diz que tem diminuído do público em geral.

RO –Bem, nós apenas nunca fomos convidados ...

RG – Fale-nos sobre a música mais recente. Vou perguntar-lhe sobre o novo álbum do Tears for Fears, claro, mas eu sei que foi lançado um EP e qual foi a primeira música. Eu sei que você gravou em 2013, mas o EP saiu no início do ano, "Ready to Start", conte-nos um pouco sobre isso.

RO – Foi um pouco estranho, porque no  início de 2013 uma gravadora nos ligou, porque estivemos sem gravadora por muitos e muitos anos, e eles estavam, eu suponho, tentando nos lançar para o mundo moderno, por isso, em vez de nos permitir apenas sair e fazer outra coisa parecida com Beatles, eles tipo nos forçaram e nos alimentaram com um monte de música moderna, e nos apontando o fato de que um monte de bandas novas, na verdade, terem sido influenciadas por nós, por diversão, sem ambiente de pressão, fizemos alguns covers, “Ready to Start” do Arcade Fire, “My Girls” do Animal Colective e “Boy from School” do Hot Chip. Então, nós colocamos no Soundcloud, você pode entrar no tearsforfears.com e escutar, não vai custar nada... e o EP finalmente saiu em vinil, o que é muito bom.

RG – Agora vamos falar sobre “TFF7” - Eu gosto desse título de trabalho para o álbum, mas deve ter algo um pouco mais criativo na sua mente...

RO – Quem sabe... Eu não disse que seria esse o título e se eu disser algo vai me colocar em um monte de problemas... (risos)

RG – Então onde estamos? Eu vou te cutucar, você já gravou as canções, você já tem parte gravada ou gravou o álbum inteiro? Onde estamos no ciclo?

RO – Já gravamos 5 ou 6 músicas, acabamos de assinar com a Warner, mas eu ainda sinto que não temos ainda músicas muito fortes para esse álbum.

RG – E como é que você vai resolver esse problema? Curt vai vir de Los Angeles para o seu estúdio em Bath, você vai voar de volta para Los Angeles, ou vocês vão trocar emails e criar as coisas assim?

RO – Como eu te disse, estive em Los Angeles desde 7 de julho... Em geral, eu sou aquele que pode viajar mais facilmente, porque as filhas do Curt são mais jovens e os meus filhos já estão na Universidade, então isso me dá mais liberdade pra viajar, e eu também não posso negar o fato de que ir pra Los Angeles significa ter um pouco de Sol. E nós devemos parar de chamar o album de “TFF7", porque se não teremos sérios problemas!

RG – Onde você diria que você estará pessoalmente em 2015? Você acha que estará feliz sendo irmão, pai, cantor, marido, compositor, autor... enfim, todas essas coisas mencionadas anteriormente?

RO – Pergunte-me isso daqui a alguns meses, eu prometo a vocês todos que volto aqui quando o novo álbum estiver pronto. Está sendo um desafio. É um desafio criativo completo, e existem muitas, muitas influências diferentes aparecendo e eu não sou o tipo que foge às minhas responsabilidades, eu quero fazer isso direito!

RG – E a partir do que você já ouviu das músicas novas, você acha que tem o DNA do Tears for Fears?

RO – Eu acho que tem, provavelmente, mais do DNA do Tears For Fears nele do que "ELAHE".

RG – Bem, eu acho que todo mundo ficará encantado em poder ouvir alguma coisa nova, por isso, quando poderemos ouvir a primeira música lançada do álbum?

RO – Lançada? Vazada... cuidadosamente vazada. Eu acho que na Primavera (para nós do Hemisfério sul, entre 20 de março e 21 de junho), vamos tentar ser otimistas sobre isso.

RG – Bem, foi um prazer tê-lo aqui Roland.

RO – Muito obrigado.

 

Topic: Entrevista de Roland Orzabal para a BBC

tears for fears

Data: 11/08/2020 | De: claudir pc

Ola pessoal,tbm adoro essa banda,fui no show deles em 1996 no olimpia,mas vieram sem o curt mas foi o máximo o show

Entrevista Roland

Data: 14/09/2016 | De: Selma Barreto

Faço minhas as palavras da Maria José e acrescento: será que esse cara tem noção do quanto ele é amado por muitos fãs aqui no Brasil?Por mim inclusive rs rs rs. Meu sonho vê-lo pessoalmente em um show mas sei que é quase impossível eles virem a Brasília!!! Adorooooo TFF, esperando ansiosamente o 7!!!

Re:Entrevista Roland

Data: 27/05/2020 | De: Valeria Oliveira

Me rencontrei nessa quarentena com a música maravilhosa deles.Estou apaixonada quero assistir um show deles no Brasil!!

Re:Re:Entrevista Roland

Data: 11/12/2020 | De: Lady Jane

Eu também

back tears for fears

Data: 13/11/2014 | De: amilton camargo

muito feliz

retorno

Data: 02/11/2014 | De: Publio

Fico feliz dele mencionar o Brasil. Entrevista fantastica.

o novo álbum, claro !!

Data: 29/10/2014 | De: marcia

Como foi bom ouvir toda essa novidade contada por ele próprio. Uma delícia saber de tudo isso. Espero ansiosa não só as novas canções como a presença deles aqui entre nós.

Brasil

Data: 28/10/2014 | De: Bia

"E ainda tem o Brasil, que é uma marca incrível para nós ainda..." como assim? eles querem vir morar aqui tbm? hehe =P

Volta

Data: 28/10/2014 | De: Maria José Moura

Fiquei encantada em saber que eles retornarão ao Brasil .
Não tive oportunidade de ir a nenhum show e esta será
sem dúvida minha grande oportunidade . Amo Tears , e
principalmente , amo Roland sua voz marcante . ANCIOSA
Beijos meninos

Novo comentário


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!