História

 

     “Raoul” Jaime Orzabal de la Quintana veio ao mundo dia 22 de agosto de 1961 em Havant, Hampshire, Inglaterra. Filho de George e Margaret Orzabal ele era o segundo de três filhos que o casal teve. O pai do pequeno Raoul queria que todos os seus filhos tivessem nomes Franceses ou Espanhóis, mas sua mãe, pensando que Raoul seria muito difícil para a pronúncia inglesa, trocou seu primeiro nome para Roland (que também é utilizado em países que falam Francês), aproximadamente duas semanas após seu nascimento. Desta forma, com a intenção original de seu pai intacta, Roland começou sua jornada pela estrada da vida, que um dia iria guiá-lo ao mundo da “música pop” e da fama internacional. Contudo, nós estamos pulando ligeiramente à frente aqui...

     Depois de não muito tempo após o nascimento de Roland, seu pai, que era um ameaçador agnóstico, sofreu uma crise nervosa, na realidade pensou que era Deus por um tempo. Enquanto Roland tinha três anos, George Orzabal decidiu abrir uma agência de entretenimento fora de casa com a mãe de Roland, que era uma dançarina. Roland dizia "Nº 1 Revista em 1985", "... nós tínhamos todas as espécies de pessoas dentro da nossa casa o tempo todo. Cuspidores de fogo, contorcionistas, o logro, acrobatas e muitos músicos. Especialmente guitarristas, os quais me influenciaram a tocar." Quando Roland tinha mais ou menos 9 anos, recebeu uma guitarra de um mestre músico.

     Os pais de Roland tinham um relacionamento tumultuoso, e o cenário de brigas seguido de violência era um periódico tema na casa dos Orzabal, de acordo com Roland. Testemunhas para estes fatos eram: Roland, seu irmão mais velho Carlos e seu irmão mais novo, Julian. Por vezes, o temperamento explosivo de George Orzabal era direcionado a seus filhos. Isso fez Roland ficar com tanto medo de seu pai, que dificilmente ele conseguia falar com ele. Quando Roland tinha nove anos, sua mãe tendo conseguido dinheiro suficiente, criou coragem para deixar o marido. Margaret e seus três filhos partiram no meio da noite, para o alívio do jovem Roland. As experiências da infância de Roland seriam refletidas em suas músicas por anos.

      Durante um pequeno intervalo de tempo, Roland, sua mãe e seus dois irmãos viveram com uma tia dele. Eventualmente, Roland encontrou a si próprio vivendo em Kennysham, exterior de Bath. Em Bath, enquanto ele visitava um amigo chamado Paul Nobel, ele conheceu um amigo de Paul - Curt Smith. As sementes da amizade e uma musical sociedade eram plantadas. Numa entrevista com "Star Hits" em 1985, Roland disse: "Nós nos conhecemos aos 13 anos, no exterior da casa do Curt. Eu estava junto com um amigo que nós tínhamos em comum. Eu pensava que Curt era Indiano porque ele era assim escurinho. Havia alguma conversa sobre algum cara Indiano e parecia que era algum cara que o Curt tinha batido na véspera, por isso ele não estava permitido a sair e nós tivemos que ir para a casa dele." Roland continua: "Foi durante o tempo que eu vivi no exterior de Bath, assim, nós só nos víamos nos fins de semana, mas quando eu vivia em Bath nós nos víamos absolutamente durante muitas horas. Eventualmente nós vivíamos a uma curta distância. Todo o verão os três de nós penduravam um em torno do outro."

     "Eu estava num grupo de crianças com aquele cara e eu ouvi o Curt cantando para uma gravação no seu quarto de dormir e aquilo soou de tal maneira tão bom, que nós todos decidimos nos juntar. Nós ficávamos doidos ouvindo Led Zeppelin e tocávamos "Stairway To Heaven". Mas nós nunca nos apresentamos de verdade, talvez uma ou duas vezes por ano."

     Roland e Curt continuaram a tocar em vários grupos, um deles um grupo de "heavy metal" que tinha o nome de 'Necromancer', de acordo com Curt. Depois de terminarem o 2º grau, Curt foi para universidade (por cerca de um ano) e Roland jogado num folclore duo chamado 'Busar', fazendo cover de Simon e Garfunkle e de algumas músicas originais. Contudo, quando Curt deixou a universidade ele e Roland brevemente se encontraram trabalhando juntos de novo.

     Roland e Curt formaram 'Graduate', um grupo de renascimento dos anos 60. Era 1979, e os jovens "graduates" decidiram seguir seriamente com a música. Eles começaram o seu caminho através dos clubes em torno de Bath. A banda ganhou a atenção de PYE / PRT / Precisoin Records.

     Apesar de Roland e Curt serem os grandes responsáveis pela criatividade por trás do grupo - Roland tendo escrito 9 das 10 músicas do primeiro álbum deles - “Acting My Age” - e Curt tendo escrito a outra, eles sentiam que eles estavam constantemente sendo incomodados quando aquilo se transformava em importantes decisões afetando o  desenvolvimento da banda. Então, os dois jovens rapazes decidiram seguir seus caminhos assumindo as responsabilidades sozinhos.

     Entraram como “History Of Headaches” que mais tarde tornou-se “Tears For Fears” este último nome sugerido por Curt depois de ter lido o livro "Primal Revolution", do terapeuta do Grito Primal (Primal Scream), Arthur Janov. O nome Lágrimas Para Medos é basicamente um curto modo de dizer que as lágrimas são uma substituição para os medos. Medos que a maioria das pessoas carregam dentro de si desde que são pequenas crianças. Não sendo capazes de lidar adequadamente com estes medos, desde que a maioria de nós é ensinada a utilizar "repressão" naquelas emoções, o medo se traduz para tensão. Tensão, sem um escoamento, pode manifestar doenças mentais a si próprio. Chorando ("lágrimas") ou outro forte escoamento emocional nos ajuda a entrar em contato com aquelas impressões interiores e "medos" e, desta forma, a tensão é liberada. Então, irmãos e irmãs, vocês tem um "parcial" vislumbre do mundo da Primal Scream Terapy (Terapia do Grito Primal), que cobre tanto mais...

     Ao longo do caminho, Roland e um amigo do Curt, David Lord, se interessaram por sintetizadores. Lord também apresentou a eles Ian Stanley, que deixou os jovens usarem seu estúdio de gravação. Ian iria tornar-se um tecladista no desenvolvimento de Tears For Fears com tecnologia de síntese (Stanley, juntamente com o baterista Manny Elias, iriam fazer parte da primeira formação dos anos 80 da banda Tears For Fears).

     Roland e Curt também incrementaram seus conhecimentos de reflexão acústica e, como Roland menciona em "Scenes From Big Chair” (vídeo) “...coisas ficam eficazes quando você está num estúdio de gravação”...

     Eles aprenderam a colocar suas músicas em camadas em vez de ir num estúdio e gravar como uma banda "ao vivo". Capítulo lido e lição aprendida, as coisas nunca mais seriam as mesmas.     

     Roland e Curt eram sortudos para conseguir algum estúdio depois de terminarem seus dias com Graduate, e eles fizeram duas demos: "Suffer The Children” e “Pale Shelter”, que apareceram no primeiro álbum dos Tears for Fears, "The Hurting". Estas demos foram responsáveis pelo contrato de Roland e Curt com a Mercury / Phonogram.

     Conforme diz Roland, “Suffer The Children” teve “um justo monte de lustro nela”, significando que era mais do que somente uma música não terminada. Na verdade ela estava terminada / completamente pronta. Estes duas músicas iriam se tornar os primeiros singles dos Tears For Fears. Inicialmente, estes singles não conseguiram muito sucesso, devido a pobreza que era o que as rádios tocavam. Isso até "Pale Shelter" ser emitido novamente em 1983, quando as coisas começaram a decolar.

     Apesar do tempo, “The Hurting" foi lançada, e em Março de 1983 Tears For Fears já tinha conseguido sucesso com os singles, "Mad World" (9/82) e "Change" (1/83) ambas tendo alcançado o top 5 nas paras musicais do Reino Unido! Mencionaram que os sigles eram “espécies de popularidades desrespeitosas”. Mas sem dúvida os "críticos" nem sempre compreenderam a motivação de Roland para compor.

     Como os críticos começavam a cavucar em maior profundidade no significado por trás das letras, eles etiquetaram a dupla como muito cerebral e depressiva, perdendo totalmente o ponto.

     Dia 17 de Março de 1983, Tears For Fears definiram o primeiro passo do sua primeira turnê, que duraria boa parte de um mês. Para Roland e Curt a experiência no segundo passo da turnê não foi tão agradável. No passado, elas estavam muito ansiosos para encontrar e cumprimentar fãs e responder perguntas.

     Entretanto, com o crescimento do número de gritos e admiradoras femininas, eles tiveram que mudar rapidamente a maneira com que eles lidavam com esse aspecto para ingressar no mundo música. Acrescentar a isto o fato que ambos, Roland e Curt tinham se casado recentemente: Roland com Caroline em 10 de Setembro de 1982 e Curt com Lynn em 18 de Dezembro de 1982. Mais frequentemente do que não, seguindo dicas, eles escaparam para o relativo santuário de seus quartos de hotel.

     Seguindo a turnê, Tears For Fears guardaram um perfil bastante discreto. Elas reapareceram em Novembro de 1983 para fazer algum trabalho promocional para o single “The Way You Are”, uma tentativa de fazer uma gravação sem uma música, mas antes de construir a música em torno de uma coleção de sons interessantes.

     Decididos de que eles precisavam de uma abordagem diferente, eles lançaram “Mothers Talk” em Agosto de 1984. O duo parecia se preparar para embarcar na próxima fase de suas carreiras.

     O que aconteceu depois iria impulsionar Roland e Curt para o resplendor internacional. Em Novembro de 1984 o exclusivo “Shout” foi lançado, depois veio a edição do álbum "Songs From The Big Chair" em Fevereiro 1985, seguido do lançamento do single de “Everybody Wants To Rule The World” em Março 1985.

      Todas as coisas pareciam estar se movendo rápido e mais rápido - Tears For Fears pareciam explodir na cena, eles estavam em toda a parte, apareciam em numerosos shows de TV e revistas - o ano sem dúvida estava no devido lugar para eles. Uma colossal turnê mundial estava empreendida, deixando ambos os jovens rapazes se sentindo pior para se vestir às vezes. Neste ponto eles definitivamente tiveram um ouvido coletivo do mundo, não para chamar a atenção daqueles na indústria...

      O resultado de tudo isso, além de fazer dos Tears For Fears um grupo músical descontroladamente bem sucedido, fez com que os executivos industriais aclamassem para um outro álbum de sucesso. Isso iria se demonstrar uma tarefa nada fácil, já que a dupla sentiu que precisaria mudar de novo a direção musical. Tendo achado a si próprios acorrentados às sequências durante os shows ao vivo, eles compreensivelmente se sentiram limitados. Recordação de um incidente durante o “SFTBC” tour... Uma noite depois de apresentarem um desconcertante show na cidade de Kansas, eles foram de cabeça baixa para o bar do hotel para apanhar um par de drinks...

      Naquela noite, no bar, uma cantora/pianista chamada Oleta Adams estava se apresentando. Enquando Oleta apresentava a música de Quincy Jones, "Everything Must Change", Roland brevemente encontrou ele próprio chorando, pelo claro, comovente e honesto desempenho de Oleta. Ele sabia exatamente o que precisava ser feito - todas as coisas deveriam mudar e, de fato, mudariam...

     O próximo álbum dos Tears For Fears “The Seeds Of Love” parecia que nunca iria se materializar. O pai de Roland (George), com quem ele tinha tido um acrimonioso relacionamento, morreu, Curt estava se divorciando de sua primeira esposa Lynn (ele é agora casado com Frances [Pennington] Smith) e a equipe da Mercury / Phonogram estava já ficando nervosa. Finalmente lançado em 1989, o álbum levou quase quatro anos, durante os quais os Tears For Fears trabalharam com quatro produtores em nove estúdios.

      O resultado, na minha honesta opinião, foi espectacular, o alcance do projeto fez daquilo um prêmio especial em qualquer coleção de fãs dos Tears For Fears / Roland Orzabal. Roland recrutou Oleta Adams para cantar “Woman In Chains”, e, de fato, Oleta aparece no álbum em outros números de exibição apresentando suas capacidades de voz e piano.

      O álbum teve críticas em seus ouvidos. A maioria dos fãs estava contente com a nova direção que as composições de Roland tomaram. A música tinha ultrapassado as expectativas da maioria das pessoas. Aquilo era como se Tears For Fears estivessem prestes a recuperar o seu trono!

     Contudo, não estava tudo adequado. A amizade de Curt e Roland e a sociedade musical estavam desintegrando-se. Encerrando sua turnê mundial com uma apresentação em Knebworth '90 (foto à esquerda), a dupla tinha que lidar com o fato que o diretor Paul King, tinha saído com a maior parte do lucros do tour “TSOL”. King imediatamente reclamou, deixando Roland e Curt com a responsabilidade de pagar as vários dívidas associadas com o álbum e com o tour. Curt e Roland dividiram a dívida e Roland guardou o nome. Em 1991, Curt "oficialmente" anunciou sua partida dos Tears For Fears para proseguir com projetos solo. A dupla conhecida como Tears For Fears essencialmente tornou-se uma atuação de apenas um. Roland e Curt não iriam se falar de novo por quase oito anos.

     Roland manteve-se ocupado produzindo e tocando no primeiro álbum de Oleta Adams, "Circle Of One", no qual Oleta gravou uma música de Roland originalmente escrita para 'TSOL' chamada, “The Rhythm Of Life”. Curt lançou seu primeiro projeto solo, “Soul On Board” e mudou-se para os EUA, alternando entre Nova Iorque e Los Angeles. Tears For Fears – Greatest Hits Collection, “Tears Roll Down” foi lançada em 1992 ajudando a satisfazer os o apetite dos fãs das músicas do grupo. Em 1993, Roland, sob o nome Tears For Fears, lançou “Elemental” considerado por muitos o primeiro projeto solo dele...

     Escrevendo para este álbum, ele iria unir-se com um amigo e guitarrista Alan Griffiths, que tocou no tour “Songs From The Big Chair”. O álbum foi gravado na casa de Roland em seu próprio estúdio Neptune’s Kitchen. Não só foi ali por causa das considerações orçamentárias da queda de “TSOL”, mas, Roland agora tinha um jovem filho chamado Raoul para o qual ele queria estar disponível.

     Por conta própria de Roland, 'Elemental' era apenas “moderadamente bem sucedido”. A música-título é um excelente trabalho, o álbum completo mostra aqueles essenciais “elementos” que colaboram para uma prazerosa experiência de escutar as músicas enquanto tudo satisfaz. Esse foi mais outro passo do evolutivo processo da música de Roland. Ele montou uma fantástica banda para o tour que seguiria, que incluiu o baixista Gail Ann Dorsey, que depois saiu para lançar um álbum solo e trabalhar com David Bowie. Após o tour, a banda basicamente foi direito ao estúdio para trabalhar no próximo álbum dos Tears For Fears “Raoul And The Kings Of Spain”.

      Levando reflexões e emoções acerca de seu relacionamento passado com seu pai, o nascimento de seu filho Raoul e sua própria experiência como um pai, Roland fez o dinâmico álbum “Raoul And The Kings Of Spain” (na Epic / Sony). Com muita textura, com a bela “Sketches Of Pain”, é o álbum mais pessoal de Roland até hoje. Em 1995, numa entrevista para promover o álbum, Roland disse: “A Idéia de ‘Kings Of Spain’ realmente vem da obsessão do meu pai com suas origens e seu pai. Ele não o conhecia. O pai do meu pai era um estudante argentino que foi para Paris para estudar e deixou uma menina grávida, o que resultou no meu pai, que era educado por seus avós.”

     Roland continua….

     “Seus avós eram pobres, classe trabalhadora. Seu pai veio de uma família muito abastada, antiga em Buenos Aires, com ligações com políticos, história, Peron, esse gênero de coisa. Assim o meu pai - Eu penso devido a sua baixa auto-estima - costumava dizer: ‘Você sabia que sua grande bisavó era a prima do Presidente de Argentina!?’... grande coisa, você sabe o que EU significo? Mas, era como se você fosse nobre de nascença, que é a idéia atrás do certo divino dos reis... e o quanto isso é loucura, antes da minha mãe deixa-lo, nós estivemos vivendo numa das maiores assembléias dos estados da Inglaterra sem quaisquer dinheiro. Louco.”

      Para “RATKOS” como é conhecido por fãs, Roland de novo trouxe Oleta Adams para cantar, “Me And My Big Ideas”, a voz de Oleta empresta um brilho à música e eleva aquilo para estratosféricas altitudes de emoção! Contudo, as massas de adolescentes que ouviam Tears For Fears nos anos 80 tinha crescido muito. O difícil centro de fãs permaneceu animado nas músicas criadas por Roland.

       Em 1996 Roland lançou uma coleção de B-Sides dos Tears For Fears chamada “Saturnine Martial And Lunatic”, uma interessante coleção para os fãs. O fim do milênio trouxe o relançamento dos primeiros três álbuns de estúdio dos Tears For Fears incluíndo músicas bônus e associadas B-Sides, o disco gold máster ‘SFTBC’, e um 20th Century Masters Collection de hits, todos lançados pela Mercury. 

     Desde aquele tempo, Roland tem se mantido ocupado escrevendo músicas e produzindo álbuns para outros artistas. Em 2000, Roland produziu o álbum “Love In The Time Of Science!”, para  uma jovem cantora chamada Emiliana Torrini. Roland escreveu duas das músicas (junto com Alan Griffiths): “Baby Blue” e “Wednesday’s Child”. O álbum foi gravado no próprio estúdio de Roland: o Neptune’s Kitchen. Ele também está envolvido na gravação do primeiro CD de seu irmão mais novo (Julian) "Face Of An Angel".

      No começo de 2000, Roland e Curt já começam juntos a discutir a possibilidade de trabalharem em algum material para uma colaboração futura.

      Abril de 2001 marcou a volta de Roland para a batalha com seu álbum solo oficial “Tomcats Screaming Outside” da Eagle Rock Records, seguindo nos saltos do primeiro single, “Low Life” lançado em selecionados mercados Europeus. Esse álbum é a terceira colaborção entre Roland e Alan Griffiths. Possuindo aspectos de Eletrônica, Trip-Hop e música ambiente, é o projeto mais original de Roland até hoje. Eu adorei!! Desejo muito sucesso ao Roland!! 

       Em maio de 2002, Roland e Curt descobriram que eles podem trabalhar juntos de novo! Já fizeram canções juntos e em 2004 foi lançado o álbum “Everybody Loves A Happy Ending”. Turnês foram feitas principalmente pelos EUA, e depois pela Austrália e Nova Zelândia, em abril e maio de 2010, e depois os EUA receberam outra turnê em agosto e setembro de 2010. Agora finalmente chegou a nossa vez! Tears For Fears no Brasil em outubro de 2011! Neste mesmo ano, a banda também passará por outras localidades da América Latina e pelos EUA.

 

 Fonte: 

https://ene/tffscrapbook/index.htmwww.freewebs.com/cybersc

Topic: História

The Seeds Of Love - Um dos Albuns Mais Bem Gravados de Todos os Tempos!!

Data: 24/11/2011 | De: Bene' Menezes

Ouço TFF, desde 1985, quando pela primeira vez, numa rádio qualquer de FM, tocava a maravilhosa 'Everybody Wants To Rule The World', numa manhã ensolarada de domingo, antes de sair para uma viagem com minha família...Nossa! Isso me marcou tanto que, passei a pesquisar e tentar saber mais sobre esta 'banda' que, ao meu ver, chegava com uma sonoridade diferenciada. Me apaixonei, de imediato! Tanto que, fiquei à espreita de um próximo album da 'dupla'...Demorou a vir, mas, realmente valeu a espera. Até hoje, 'The Seeds Of Love' me impressiona pela qualidade das letras, gravações, músicos (destaque para 'Oleta Adams'- grande jazzista Norte-Americana de voz impecável) e melodias primorosas. Me faz alcançar o melhor estado-de-espírito! É UM TRABALHO ILUMINADO, sem sombra de dúvidas. É tudo de bom, para apreciadores da 'boa música', como eu sou. TFF (Com Orzabal e Smith) nunca deveria acabar e faço votos que eles continuem sempre juntos! - "Tears For Fears" pra sempre e sempre!! - Abraços!

Re:The Seeds Of Love - Um dos Albuns Mais Bem Gravados de Todos os Tempos!!

Data: 27/02/2012 | De: Philippe Soares

Engraçado ver os depoimentos daqueles que eram adolescentes nos anos 80. Nasci em março de 1985, exatamente na época em que "Everybody Wants to Rule The World" estava sendo lançada (provavelmente na Inglaterra). Saber disso me fez ficar mais surpreso ainda pois é a música que me aproximou do TFF.

Lembro de tê-la ouvido em 1991, numa ida ao aeroporto de Confins com meu pai para buscar uma tia. A sequência da rádio me deixou extasiado no carro, me lembro de boa parte desta até hoje: "Codinome Beija-flor", "Shinny Happy People", "Everybody Wants to Rule The World", "By my side" (INXS) e "The Promise" (When in Rome). São músicas que me trazem sensações de felicidade, bem-estar, alegria e mais bom humor do que já tenho. Pra falar a verdade, não sei se traduziam o meu estado e espírito dentro daquele carro à caminho do aeroporto para ver a tia querida ou se simplesmente são mensagens de amor, alegria, comprometimento e também de liberdade. Esta última sensação é a que mais me faz lembrar de "EWTRTW".

Voltando ao TFF, ouvi-la de novo no filme "Real Genius", no final, e toda vez que a ouvia, ficava doido! Com a internet e as MP3, o acesso às músicas ficou mais fácil e fez com que conhecesse a banda, os integrantes e a história por trás das letras e sonoridade deles. Enquanto isso, boa parte dos meus amigos estavam curtindo os sons dos anos 90/2000 somente e discriminando o resto. Ainda bem que não fui maria-vai-com-as-outras, segui o meu gosto musical e hoje tenho boa parte das músicas dos anos 80 como minhas prediletas. Em sua maioria, são canções que tem embasamento político, sócio-cultural e até pessoal (ligado a quem escreve, como no caso do Roland), fazendo com que os ouvintes se sintam parte de algo maior, bem construído e do bem, ao contrário do lixo fonográfico atual.

Registro aqui toda a minha admiração pelos músicos do Tears for Fears, especialmente Curt Smith, Roland Orzabal, Nicky Holland, Oleta Adams e Michael Wainwright, este último recente e que segura magnificamente a tarefa de substituir a Oleta nos vocais. Raoul "Roland" pra mim é um gênio que conseguiu traduzir as frustrações da infância com um pai opressor em lindas letras, passando mensagens de otimismo e difundindo a idéia de que podemos fazer o que quisermos, que devemos fazer o bem ao próximo (sowing the seeds of love) e que a vida é bela demais para ser gasta somente com trabalho e buscas fúteis por dinheiro, bens materiais e fama. Mais do que isso, ele clama os ouvintes a buscarem a felicidade extrema através da liberdade dos atos, desde que você esteja espalhando boas energias, agindo de acordo com a linha de raciocínio que não faz mal a ninguém e fazendo as pessoas que estão ao seu redor ficarem felizes.

A nossa sorte é que em muitos casos, os gênios são incompreendidos num primeiro momento mas com o passar dos tempos, seu modo de interpretar a vida mais a fundo que a média das pessoas faz com que ocupem o lugar que sempre ocuparam em suas próprias cabeças - sendo alçados à condição que merecem por mérito, e não colocados num lugar que não merecem (exemplo: Michel Teló, o famoso elefante em cima do coqueiro - ninguém sabe como chegou lá, mas é certo que vai cair!).

Abraços aos apreciadores da boa música e do Tears for Fears! Salud, king Raoul!

ANÁLISE DA BANDA TEARS FOR FEARS

Data: 22/11/2011 | De: GERSON SALDANHA COSTA

TANTO CURT SMITH QUANTO ROLAND ORZABAL DE LA QUINTANA RESSURGIRAM DAS CINZAS TAL COMO UMA FENIX EXUBERANTE QUE SE DISPOE A REESCREVER A PRÓPRIA HISTÓRIA, ALÉM DISSO
A BANDA TEARS FOR FEARS FORJOU-SE COM INÚMERAS DIFICULDADES FINANCEIRAS NUMA ÉPOCA
DE GRANDES TRANSFORMAÇÕES SÓCIO-ECONÔMICAS E POLÍTICAS TAIS COMO A QUEDA DO MURO DE BERLIM, CONSCIENCIA AMBIENTAL E RACIAL, MOVIMENTOS PUNKS, PORTANTO CABE AQUI RESSALTAR A IMPORTÃNCIA DESTA BANDA QUE RESSUSCITOU E AINDA REVIGORA MUITOS SONHOS
DE TODAS AS GERAÇÕES.CONGRATULAÇÕES!! "BUENA SUERTE MUCHACHOS"!!
GERSON SALDANHA COSTA.

ROLAND ORZABAL

Data: 20/11/2011 | De: ANGELITA

ROLAND SEM SEM SOMBRAS DE DUVIDAS É A PESSOA MAIS LINDA QUE JA VI EM TODA A MINHA VIDA, ALGO SEM EXPLICAÇÃO ISSO QUE SINTO POR ELE!

Re:ROLAND ORZABAL

Data: 29/11/2012 | De: Eliane Nochieri

Idem amiga!

Data: 09/11/2011 | De: NELSON FELICIANO

NÃO PUDE IR AO SHOW MAS FAÇO VOTOS QUE ELES CONTINUEM UNIDOS E ACRESCENTANDO NECTAR PELAS ONDAS DOS RADIOS MUNDIAIS.... PARABÉNS VCS PRA SEMPRE..!

Woman In Chains

Data: 25/10/2011 | De: Ismar Neuber

Desculpa, o meu teclado está ruim, na verdade o que eu tentei dizer no post anterior foi que essa música Woman in Chains foi feita com base no relacionamento dos pais (pais) do Orzabal.

Obrigado,
Ismar

Woman In Chains

Data: 25/10/2011 | De: Ismar Neuber

Talvez poucos sabem, essa música Woman in Chains foi escrita ou criada com base no relacionamento comturbado dos pias de Orzabal.
Adoro Tears, sempre Tears.

Valeu

Show São Paulo

Data: 24/10/2011 | De: Eliza

Realmente, a imprensa não deu a devida atenção que o grupo merece, não dá p/ entender... O show foi maravilhoso, superou quaisquer expectativas... O que era aquele back vocal??? Foi incrível, melhor show da minha vida... e que VOLTEM porque estarei lá!!!!!!! Viva TEARS FOR FEARS.........

eles

Data: 24/08/2011 | De: wendel

bacana, uma banda que se vc perguntar pra alguem seja no seu trabalho, na escola, onde vc frequenta e mostrar everybody wants to rule the wolrd para as pessoas que vc convive diariamente, todas vão dizer conhecer tal musica, pena que a imprensa não fala nada deles, ainda bem que temos a internet!

1 | 2 | 3 | 4 | 5 >>

Novo comentário